sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Desabafos Nocturnos


Às vezes à noite espero e ouço um grito na solidão, ´
na escuridão, no silêncio.
Um grito mudo de agitação, de revolta contida que...
talvez...
nunca possa ser resgatada...
talvez não possa ser sarada.
Dói mais do que posso sentir.
Estas farpas que me espetam, que me ferem.
Estas palavras amargas que me rasgam
sem razão...
com razão...
todas de uma vez.
Diz-me o que sou já que o que sei não conta...
Diz-me a face negra que um dia não soubeste ver em mim...
Diz-me e vê se me importo
porque o que sou, sou e sei que sou e nada mais conta.

3 comentários:

OMOPrjct disse...

Como sempre, excepcional

Vieira MCM disse...

Como me identifico com este texto.
Que o grito na escuridão se transforme numa gargalhada de luz.

Beijinho

Vieira MCM

Vasco disse...

Por onde andas que não escreves?...
Sente-se a tua ausência...

Beijinho,
Vasco